segunda-feira, 28 de fevereiro de 2011

1 mês de Miguel

E em um mês, tudo mudou:

29/01/2011:

Nosso barrigão no dia em que Miguel nasceu

28/02/2011

Miguel hoje, lindo, fruto do amado barrigão
Filho,

Você nasceu no dia 29/01. Só que este ano não tem 29/02. Sendo assim, temos de comemorar hoje, dia 28, o seu "mesversário"! Até porque hoje é mesmo o dia em que você completa 30 dias!

Você é um bebê lindo. Para a mamãe, o que mais chama a atenção é a sua boquinha; parece feita a mão! E o restante todo forma um conjunto harmonioso: vc é todo proporcional, todo lindo! Como se não bastasse, é esperto: tem uma coordenação motora invejável para um bebê tão novinho, já sabe como conseguir colinho, reconhece vozes, especialmente a da mamãe, se vira para todo lado no berço, sustenta a cabecinha em pé ou deitado, segura objetos e já agarra o colar da vovó, correntinha e os cabelos da mamãe; é curioso: olha tudo ao redor, acompanha movimentos, se vira para ver o que há atrás de você.

Você não é um bebê chorão, mas abre o berreiro quando não gosta de algo. E não gosta de ficar sozinho acordado, não gosta de ficar com fominha, não gosta de não conseguir colocar a chupeta de volta na boca, não gosta de cólicas, não gosta de fraldinha suja e não gosta muito de tomar banho. Lógico, né, filho? De bobo você não tem nada, por isso bota a boca no trombone nessas situações.

Mamãe te ama tanto, que nem sabe como explicar. Nunca senti algo assim; nem sabia que existia. Você mudou a minha vida, meus hábitos, minhas preferências, meu foco. Tudo o que quero na vida é te ver crescer com saúde e felicidade. Que você se torne um homem digno, honesto, bem sucedido e muito, muito feliz é o meu maior sonho! E que esteja sempre perto de mim, pois não imagino a minha vida sem você.

Nunca imaginei poder amar assim
Querer alguém tão bem mais do que quero a mim
Meu filho, você tem o amor da mamãe pra sempre
Nunca imaginei poder amar assim
Querer alguém mais do que quero a mim
Meu filho, você tem o amor da mamãe pra sempre
Cuidar de você é minha alegria, sentir o teu cheiro, te tocar
Pegar sua mão e caminhar na vida, ouvir sua voz me chamar
Pode precisar de mim. Meu filho, te amo
Não importa a hora nem o lugar, quero estar ali pra te ajudar
No sorriso, no olhar, faz valer a pena.
Nenhum sacrifício é tão grande quando a mamãe ama
Eu sei que nem sempre vou conseguir, às vezes preciso te deixar ir
Mas mesmo de longe vou te acompanhar
E quando quiser, é só me chamar.
 
Meu pequeno grande amor

E hoje à noite teve festinha! Afinal, a data é importante DEMAIS e precisa ser comemorada. Mas esse é assunto para o próximo post. Só para adiantar, a sua festa teve raios, trovões, tempestade de granizo, falta de energia elétrica, balões, chapeusinhos de aniversário, um bolo lindo, família reunida e muito, muito amor por você, pequeno!

Mamãe está orgulhosa do bebê lindo e amado que você é. Você me completa.

Parabéns por esse 1.º mês de vida!

Muitos beijos,
Mamãe


terça-feira, 22 de fevereiro de 2011

Meu super bebê

Será que todo bebê de 20 e poucos dias é assim tão esperto? Os movimentos do Miguel já não me parecem descoordenados.

Vejam o pé do meu pequeno apoiado na beira do trocador!!!! É ou não é uma fofura de menino?

Lindo, lindo, lindo!!!

Mamãe ama dos pés à cabeça!

sexta-feira, 18 de fevereiro de 2011

20 dias!

Parece que foi ontem, mas há 20 dias carrego o meu Miguel no colo!

E como ele mudou em 20 dias. Está ainda mais lindo, mais fofo, mais comprido, mais esperto, mais atento, mais "príncipe lindo, amor da mamãe"!


Com alguns minutinhos de vida

Com 2 dias, logo que chegamos em casa

Com 1 semana

Com 20 dias

Esta semana Miguelzinho teve cólicas :-(

Até então, tinham sido brandas e durado não mais que 2 horas. Hoje, porém, ele me pareceu incomodado o dia todo. Parte meu coração, pois ele fica vermelhinho, encolhe as perninhas até a barriga e, em seguida, abre o berreiro. E é um choro completamente diferente dos demais; parece um grito. Que dó!

A pediatra havia receitado "gotas homeopáticas para cólica de bebê". Dou a ele antes de cada mamada. Confesso, porém, que hoje pensei "será que não existe algo mais eficiente???". Não sei. O marido, dia desses, comprou "Funchicórea". Uns dizem maravilhas sobre o tal pozinho; outro dizem horrores. A opinião dos médicos também é bem dividida. Pelo sim, pelo não, o potinho continua lacrado como no dia em que chegou. Não tive coragem de dar. Alguém já conversou com pediatra a respeito?

Bom, vida de mamãe: estou aqui testando posições para confortar meu pequeno. Dicas???

Beijossssss

terça-feira, 15 de fevereiro de 2011

Um pouco da minha (pouca) experiência - AMAMENTAÇÃO

Como esse blog é lido por muitas gravidinhas e por mamães de recém-nascidos, resolvi fazer um post que possa, talvez, dar alguma "luz" a quem precisar de sugestões, opiniões sobre Amamentação.

Já contei que, para mim, a 1.ª semana foi dificílima, uma vez que meu leite só desceu no 6.º dia. Confesso que amamentar quase se tornou um trauma para mim (e talvez também para o Miguel). No meio do desespero, algumas coisas fizeram a diferença e me ajudaram a decidir entre o sim e o não. São elas:

- Plasil: remedinho PODEROSO. Como eu não sabia mais o que fazer, liguei para minha GO e disse a ela que não tinha leite. Ela pediu que eu tomasse um comprimido de Plasil, de 8 em 8 horas. No segundo comprimido eu estava com os seios empedrados de tanto leite. Espero ajudar alguém a não passar o aperto que passei por 6 dias: PLASIL!

- Enfermeiras e massagem: com as mamas completamente empedradas, voltei à maternidade e procurei pelas enfermeiras do berçário. Elas me ensinaram a massagear os seios para acabar com o ingurgitamento (massagear as aréolas com um dedo, com movimentos firmes e circulares e o restante das mamas com o mesmo movimento, porém usando 3 dedos. Dar especial atenção aos "caroços"). A massagem dói, pois o movimento tem de ser firme mesmo; profundo! Além da massagem, elas me deram uma dica importante: "prender" as mamas no momento em que o leite está descendo, mas ainda não desceu completamente. Explico: nitidamente o meu leite estava da metade para cima das mamas (empedradíssimo). Como eu estava com um soutien de amamentação que NÃO cobria os seios inteiros, não havia um "limite" para eles se encherem de leite. Resultado: o leite empedrado estava - de verdade - chegando ao pescoço!!! E doendo horrores!!! A enfermeira, então, me aconselhou a tirar o soutien e prender os seios com uma faixa (atadura), limitando a produção do leite (isto é, mostrando que existe um limite entre as mamas e o pescoço). Já em casa, eu tive a ideia de substituir a faixa por um top bem justo tomara-que-caia, que cobria - direitinho - os seios inteiros (era mais prático do que a faixa). Resolveu. No outro dia o leite havia acabado de descer e eu não parecia ter leite até o pescoço.

- Bicos de silicone: quando eu comprei, nem sabia se seriam úteis, mas levei comigo para a maternidade. Sorte! No momento em que as enfermeiras me ajudavam a amamentar, notaram que meus mamilos eram muito curtinhos e dificultavam a pega correta (eles chegavam a se projetar para dentro quando eu fazia a tal "pinça" para ajudar o Miguel a abocanhar). Elas sugeriram, então, que eu usasse bicos de silicone. Aí que me lembrei que eles estavam na bolsa. FACILITOU MUITO!  Recomendo que adquiram o da Kuka, que tem um tamanho ótimo (de acordo com as enfermeiras, a maioria é muito grande) e vem num estojinho superprático:

Detalhe: por utilizar o bico desde o início, não tive NENHUMA rachadura nos mamilos. Tenho a pomadinha de lanolina (e recomendo!), mas nem preciso dela, pois não sinto dor alguma. E o Miguel mama bastante!
Ahhh, importante: sugiro que quem for utilizar que o faça desde o início, pois se o bebê se acostumar a mamar sem o bico, penso que será difícil que ele se adapte a ele. Ou seja, não espere seus mamilos sangrarem para se decidir a usar os bicos de silicone.

- Horários estabelecidos: eu era adepta à livre demanda. O que aconteceu? Miguel não saía do meu peito. Eu passei uns 4 ou 5 dias INTEIROS com ele mamando sem parar. Se saía do meu peito, chorava. Na quinta-feira passada fui à pediatra, que me explicou que aquilo não era fome, mas uma exacerbada necessidade de sucção (comum a muitos bebês). Assim, ela me recomendou estabelecer uma rotina: amamentar de 3 em 3 horas, em uma só mama, durante 30 ou 40 minutos. Depois disso, chupeta (ai, como eu era contra!)! Funcionou muito bem. As mamadas agora são bem mais eficientes e eu tenho tempo para tomar banho, me alimentar, descansar um tiquinho e, então, estar 100% para cuidar dele. À noite, quem faz o horário é ele; isto é, não há necessidade de amamentá-lo a cada 3 horas. Durante o dia, devo amamentá-lo mesmo se ele estiver dormindo.

Além disso tudo, é preciso paciência e muito amor. Nunca havia passado pela minha cabeça não amamentar. Para mim, amamentar o meu bebê seria tão natural quanto trocar as fraldinhas. Não é! Ao menos no início, não é mesmo! Eu não desejo a ninguém que tenha de esperar 6 dias até poder amamentar o seu bebezinho. É muito, muito triste. Ainda mais quando há uma confusão sem fim de hormônios. Por isso mesmo é que escrevi isso tudo! Se eu conseguir ajudar uma única mamãe, um pouquinho que seja, já ficarei muito satisfeita.

Agora, o mais importante: depois que a gente consegue encontrar o caminho, amamentar se torna a coisa mais gratificante do mundo! É lindo ver o Miguel mamando, aconchegado em meus braços. O amor transborda ainda mais...

Beijos, paciência e boa sorte a todas!

domingo, 13 de fevereiro de 2011

E quando ele tiver 1 aninho???

As últimas de Miguel...

Gente, meu bebezinho de 15 dias é esperto demais!!! Ontem notei duas coisas especiais:

- ele consegue segurar objetos!
Já contei que a médica recomendou chupeta para que eu conseguisse tirá-lo dos meus seios, para que ele parasse de chupar a mão (e o dedo) e para suprir a necessidade gigante de sucção que ele tem? Pois bem. Comprei a chupeta, embora eu sempre tenha dito ser contra. Para minha surpresa, o pequeno consegue segurar a chupeta! Consegue tirá-la da boca (não cuspindo, mas puxando com a mãozinha mesmo!) e consegue, depois, segurá-la e tentar colocá-la de volta na boquinha. Nem sempre ele acerta o alvo (e quando não acerta fica nervoso rs), mas vale a tentativa, né?

- ele só fica quietinho acordado até ouvir a minha voz ou a do papai!
Sim. Artimanha de um bebê de 15 dias! Funciona assim: se ele acorda no bercinho, no moisés ou no carrinho e tudo está quietinho, ele fica quietinho, calminho, brinca com as mãozinhas, repara em tudo ao redor, faz barulhinhos baixinhos com a linguinha, mexe perninhas e bracinhos... e só! Agora, se ouve a voz do papai ou da mamãe (mesmo que estejamos cochichando, sussurrando), ele coloca a boca no trombone!!! "Ora, se estão acordados, não me deixem aqui sozinho. Quero um colinho!!!"

Mamãe está encantada com tanta esperteza e, ao mesmo tempo, preocupada: "E quando ele tiver 1 aninho???"



Enquanto eu escrevia este post, Miguelzinho


descansava no meu colinho, já que não aceitou ficar no carrinho após ouvir a minha voz, conversando ao telefone perto dele!

Aproveito para publicar mais duas fotos: com mamãe e com papai


Uma das primeiras fotos com mamãe

Ontem, com papai, descansando na rede da mamãe





sábado, 12 de fevereiro de 2011

2 Semanas!!!

Filho querido,

Hoje completamos duas semanas: você faz duas semanas de vida; eu faço duas semanas de mãe!

Engraçado pensar que há duas semanas mamãe tinha um lindo barrigão de quase 35cm. Há uma semana, mamãe tinha você nos braços, estava muito feliz, mas tinha também um misto de ansiedade, preocupação, angústia... sentimentos próprios de alguém que acabou de ter um bebê, percebeu nele a coisa mais importante do mundo e não sabe se está fazendo tudo direitinho. Sim; os hormônios em queda contribuem muito para esses sentimentos malucos pós-parto. Hoje, porém, mamãe está muito mais leve, mais certa de que está sim fazendo tudo direitinho, principalmente porque está fazendo com muito, muito amor.

É uma delícia ter você aqui em casa, cuidar de você, escolher a roupinha que você vai colocar, sentir o seu cheirinho, segurar suas mãozinhas, tentar adivinhar de que cor ficarão os seus olhinhos...

Você é muito esperto. Com duas semanas, faz coisas que deveria fazer com 1 mês ou mais: localiza não só a mãozinha, mas o seu polegar (e o coloca direto na boca... ai ai ai), consegue se virar no berço, reconhece a voz do papai e da mamãe, ri quando conversamos com você, nos acompanha com o olhar, levanta e sustenta a cabecinha, passa grande parte do dia acordado e dorme a noite toda...

Ahhh tivemos consulta com sua pediatra na quarta-feira. Você já havia crescido 2cm em 10 dias. Desenvolvimento acima da média!

Você está cada dia mais lindo! Já mudou bastante desde o dia em que nasceu: está mais gorduchinho, mais comprido, sua pele está mais branquinha e seus cabelos estão levemente mais claros.

Hoje tem jogo: Cruzeiro x Atlético MG. Seu primeiro clássico! Papai colocou em você o body do Cruzeiro e fez questão de registrar o momento:



A mamãe e o papai estão MUITO, MUITO apaixonados por você! Porque vc é lindo, é calmo, é esperto, é curioso, é risonho, é guloso, é uma gostosura de bebê... e porque é nosso filho querido, desejado, esperado, comemorado e amado. Amado demais!

MUITOS BEIJOSSSSSS (na cabecinha, pq na bochecha - já sabemos - dá brotoeja sim rsrs).

Enquanto mamãe escrevia este post, você:


Se preparava para dormir um pouquinho no seu bercinho.

sexta-feira, 4 de fevereiro de 2011

O parto e os primeiros dias

É... definitivamente postar no blog nesses últimos dias não é tarefa das mais fáceis por um motivo único: falta tempo! Vou, então, falar bem rapidamente sobre tudo que nos aconteceu desde o dia mais lindo que esse mundo já viu: 29 de janeiro de 2011 (exatamente 39 semanas de gestação).


Chegamos à Maternidade por volta das 12h40. Foi tudo tão rápido... Por volta de 13h15 eu já estava no bloco obstétrico. Na nossa sala de parto, estavam: eu, Diego (o papai lindo), Dr. João Oscar (o obstetra líder da equipe), Dr. Wilson (também obstetra), Dr. Renato (anestesista), Dra. Flávia (pediatra) e a enfermeira Teca. Na hora, tive medo da anestesia, mas o Dr. Renato me explicou cada detalhe com uma calma, um cuidado e uma atenção tão grandes, que acabei sossegando. O tempo voou. Sei que conversaram bastante comigo durante todo o tempo em que aguardavam a anestesia fazer efeito. A cirurgia em si foi extremamente rápida... talvez tenha levado uns 10 minutos. Às 13h52 eu ouvi o chorinho mais amado do mundo: meu Miguel nasceu!!! Lágrimas escorreram pelo meu rosto. Eu queria perguntar se estava tudo bem, se eu podia amamentar... não conseguia falar! A Dra. Flávia se apressou em me mostrar o pequeno e chamar o papai para acompanhar todos os cuidados iniciais, que foram feitos ali mesmo na sala de parto. Papai filmava com uma máquina e fotografava com outra. Miguel pesou 2,6kg e mediu 47cm. As notas de apgar foram 8 e 9. Meu bebê não é grande, mas é muito, muito saudável. Ouvi o Dr. João Oscar falando com o papai "Que chuchu! Essa forma precisa ser usada várias vezes!!!". Ouvi a Dra. Flávia elogiando a cor do meu filhinho. Sorri, enquanto alguma lágrima ainda rolava no meu rosto. Dra. Flávia colocou Miguel sobre meu peito. Diego se colocou ao meu lado. Dei as boas-vindas ao meu Miguel com a voz embargada, quase sumida. Fiz carinho com as mãos trêmulas. Ficamos juntos por um bom tempo... Depois Miguel foi para o berçário (com o papai junto, acompanhando tudo) e eu para a sala de recuperação. Por volta das 16h30, estávamos juntos no quarto. Não nos desgrudamos mais!

No berçário, encantando a quem olhava pelo vidro!

Plaquinha de porta do nosso quarto. Ficava ao lado da nossa cegonha linda.

Agora vou falar bem rapidamente sobre algumas coisas muito marcantes desses primeiros dias:

Amamentação: para mim, tem sido a parte mais difícil. Meu leite só desceu de anteontem para ontem (ou seja, do 5.º para o 6.º dia!). Chorei muito, pois quando tentava tirar algo, não havia NADA! Colostro? "Nunca vi, nem comi. Eu só ouço falar". Na 2.ª noite de meu pequeno, ele chorou muito de fome. E aí, eu tive sim de aceitar a sugestão da pediatria e dar a ele um complemento. NAN. Sim. Eu mesma, que espalhei aos 4 cantos que mamadeira sequer entraria aqui em casa (nem depois dos 6 meses), tive de aceitar. A teoria é linda! Na prática, ver seu recém-nascido chorando de fome e seu peito completamente seco é que pega! Desde ontem tenho leite, graças a Deus (pedi MUITO por isso), mas os seios ingurgitaram, dificultando muito a saída do leite quando o Miguel suga. Estou seguindo todas as recomendações. As que estão funcionando de verdade são fazer massagens, com movimentos firmes e circulares, especialmente nos locais endurecidos, e colocar o Miguel para sugar. Ele suga bem; tem força. Hoje revezou entre os dois seios por quase 3 horas. Como sai muito pouco, ele custa a se satisfazer e às vezes até se irrita. Mas o importante é que está saindo leite! E que agora estou conseguindo diminuir o ingurgitamento.

Sono: nas duas primeiras noites (que passamos no hospital), eu não preguei o olho. Achei que nunca mais dormiria, tamanha a minha preocupação com o bem-estar do Miguel. Eu não podia estar dormindo, caso ele precisasse de algo... Da 3.ª noite em seguida, tudo mudou. Acho que o fato de estarmos em casa  faz toda a diferença. Dormimos muito bem. Miguelzinho só acorda quando está com fome. Se mama bem, dorme por até 5 horas seguidas. Ele é perfeito!


Papai: nossa, nem tenho palavras. Eu sabia sim que o Diego seria um bom pai. Acontece que ele é muito, muito mais do que isso. É um pai maravilhoso. Ele faz tudo (e até melhor que eu): dá banho, troca fraldas, coloca para arrotar, cuida do umbigo e de qualquer outra coisa que se fizer necessária (e de quebra ainda cuida de mim). Tem um jeito, uma segurança... Não tenho dúvidas: ele nasceu para ser pai! Ahhh e como é absurda a licença de apenas 5 dias corridos para os papais; eles são tão essenciais. Ainda bem que o Di tirou férias; eu não saberia ficar sem ele MESMO! Ainda não sei se saberei daqui a uns 20 dias...



Cesariana: Eu queria mesmo um parto normal, mas não fiquei arrasada por ter de fazer um parto cesáreo. Acima de tudo, óbvio, o bem-estar do Miguel. Após um PC, fica-se deitada por ao menos uma noite. Assim aconteceu comigo. O parto foi à tarde e somente na manhã seguinte, após retirarem a sonda, foi que pude me levantar para tomar banho. O primeiro impacto é tenebroso. A dor no abdômen é grande de verdade. Sei que, no dia, pensei que nem queria mais ter outros bebês. Hoje, sinceramente, essa sensação quase se apaga da minha memória... Nem sei mais precisar o quanto a dor foi intensa (mas sei que foi!). Nesse dia mesmo eu caminhei pelo hospital, recebi minhas visitas em pé e sentada. Só voltei a me deitar à noite. O dia seguinte foi melhor e o outro melhor ainda... e assim por diante. Nos primeiros 2 dias, tossir e espirrar causam certo pânico rsrs. Depois passa... Não tive problema algum até então com o corte (e nem terei!). Minha barriga, logo após o parto, ficou bem pequenininha. No dia seguinte estava bastante inchada, mas no 3.º dia começou a desinchar. Hoje, se eu sair na rua, ninguém achará que ainda estou grávida rs. Óbvio que não se trata de uma barriguinha enxuta, mas de um volumezinho administrável e até animador, considerando-se que há 6 dias media quase 35cm. Balanço geral: estou muitíssimo bem. Não sinto dor alguma, caminho normalmente, durmo bem, posso até me abaixar e estou desinchando.

Vacinas e teste do pezinho: Já sentiu dor por alguém? Eu achava que já havia sentido dor por várias pessas queridas; e já senti mesmo. Acontece que a dor que sentimos por filho é multiplicada por infinito!!! Dói a alma. É claro que entendo que vacina e teste do pezinho são essenciais para a saúde dele, mas que doeu em mim... ahh doeu! No dia das vacinas, eu estava especialmente sensível por conta da falta de leite. Nem quis entrar na sala de vacinação (deixei por conta do papai Di e da vovó Leila); fiquei do lado de fora, tentando esconder o choro por trás de meus enormes óculos escuros. Senti uma dor terrível de verdade. Ele, por sua vez, não parece ter sentido quase nada (Graças a Deus. Que bom seria se eu pudesse sentir todas as dores da vida no lugar de meu pequeno...). Na hora da BCG, nem reclamou; na da hepatite, só ouvi um chorinho bem curtinho. Rezei para que ele não tivesse reações adversas depois. Não teve! O teste do pezinho foi ontem. Eu estava mais forte, mais confiante (acho que estar cheia de leite, ainda que empedrado, contribuiu muito) e fiquei na sala de exame. Não olhei muito e quem segurou foi o papai, mas eu consegui segurar o choro! Ahhh o fato de saber que ele não teria reações posteriores também fez diferença!

Sentimentos: Confusos, certamente. Ora olho para o Miguelzinho e sinto meu coração explodir de felicidade por tê-lo aqui em casa. Ora quase desejo que ele ainda estivesse na minha barriga. Não sei explicar os motivos, mas com os hormônios bagunçados como devem estar, não é de se estranhar... De toda forma, sinto cansaço, um pouco de receio, algumas dúvidas, certa insegurança e até um pouco de angústia, mas o sentimento mais forte é o amor! Um amor imenso, gigante demais (e que até por isso também causa um pouco de medo). Acho o Miguel mais lindo a cada dia. Na verdade, acho que ele é o bebê mais lindo do mundo. Além disso, ele é doce, calmo, tem os olhinhos curiosos, que se encantam quando olham para mim e para o papai (e que nos encantam ainda mais) e tem a boquinha mais bonita que eu já vi nesse mundo. Ele faz biquinho, como eu fazia quando era bebê. E esse cabelinho lisinho, que dá para pentear de lado? Puxou ao papai. A pele dele é linda. Recém-nascidos geralmente têm manchinhas, carocinhos, bolinhas, marquinhas, casquinhas... Miguelzinho tem poucas bolinhas branquinhas no narizinho, às vezes uns arranhõezinhos provocados pelas pequenas unhas afiadíssimas e mais nada! Lindo o meu pequeno príncipe! Estou muito, muito apaixonada!






Ficou linda a mesinha de boas-vindas que fiz para meu filho: álcool gel, garrafinhas d'água, brigadeiros de colher, aromatizadores de ambiente (as lembrancinhas) e um livrinho de assinaturas e mensagens. Tudo feito e personalizado por mim mesma. Gostei muitíssimo.


 
Depois volto para contar mais detalhes. E logo volto a comentar os posts dos blogs das amigas. Estou acompanhando o finalzinho da gravidez de vocês e torcendo para que tudo seja perfeito! Beijos
 
Ahhh a partir de agora, finalizarei meus posts assim:
 
Enquanto eu escrevia este post, o Miguel:

Dormia ao meu lado, no carrinho. Logo ele acordará, pois está emitindo sonzinhos ("É... É..."), se mexendo um pouco e querendo abrir os olhinhos.